5 Regras para educar com Inteligência Emocional

A família é a principal escola para as crianças desenvolverem a Inteligência emocional, sendo assim extremamente necessário investir nesta área. 
  

As interacções familiares e as escolares são fulcrais para o desenvolvimento da inteligência emocional, como tal, é importante não esquecer que os educadores funcionam como modelos de referência e que para educarem com I.E devem, saber comunicar eficazmente e manter o autocontrolo, quando surgem conflitos ou mau comportamento nas crianças.

As crianças aprendem a maior parte das vezes, através da observação do comportamento dos adultos com que lidam diariamente, principalmente com os pais, por isso é necessário termos consciência de que dar o exemplo é a melhor das forma para ensinar grande parte das competências emocionais.


Os pais nunca devem ocultar o que estão a sentir, mesmo que considerem esses sentimento negativo ou embaraçoso, assim como, não devem esconder os momentos de dúvidas ou falhas... não devem passar a imagem de que sabem tudo ou que sabem resolver de imediato todos os problemas...se evitar agir deste modo, permite que a criança aprenda a pensar, ou seja está a ajudá-la a perceber que é necessário pensar e ponderar bem, antes encontrar a solução certa, sempre que surja determinado problema.

Muitos pais querem que os filhos mudem a sua forma de se comportar o que podem fazer? Mudar comportamentos, é sempre difícil, mas se queremos que as crianças mudem ou se comportem de forma diferente, os adultos com quem as crianças se relacionam, também precisam de repensar ou até nalgumas situações, de modificar o seu próprio comportamento para que as mudanças sejam efectivadas. Principalmente, os pais que são os seus modelos de referência, devem ser os primeiros a darem esse exemplo...isso é sem dúvida o seu melhor molde. Como pode a criança deixar de gritar quando quer algo, se o pai ou a mãe costumam gritar na maioria das vezes.



A Inteligência emocional tem por base 5 princípios:

1.Tome consciência dos seus próprios sentimentos e dos da criança   - Muitas das crianças que apresentam problemas comportamentais, também sentem dificuldades em classificar os sentimentos, são capazes de confundir, sentimentos, tais como, aborrecido, preocupado ou triste.

A partir do momento em que formos capazes de identificar a multiplicidade de sentimentos, a possibilidade de os controlar melhora. 

2. Mostre empatia e compreenda os seus pontos de vista - Quando temos consciência dos nossos sentimentos relacionamo-nos com mais empatia, pelo facto de existir melhor compreensão emocional não verbalizada. Desta forma, será mais fácil perceber o que as crianças estão a sentir. Este princípio ocorre, após o desenvolvimento da capacidade de ouvir com atenção e de se conseguir perceber os sinais da comunicação não-verbal. 

3. Compreenda de forma positiva os impulsos emocionais e comportamentais - Como seres sociais estamos programados para reagir aos problemas de maneira instintiva mas, obtemos pouca eficiência nos resultados. Com recurso à Inteligência Emocional, é possível projectar os conhecimentos adquiridos, nos nossos próprios sentimentos e nos sentimentos dos outros, por forma a controlar os nossos impulsos eficazmente. 

4. Identifique os seus objectivos e planifique acções positivas para alcançá-los - Após a identificação dos objectivos é necessário planificar as acções de modo realista e otimista para os atingir. Este estado interno, contagia a nossa mente, os nossos sentimentos e o nosso corpo. 
É importante perceber quais os são melhores momentos do dia, tanto o dos pais como os da criança para conseguir alcançar determinados objectivos ou até para investir nestes períodos mais produtivos. 
As estratégias controlam-se melhor se os resultados passarem a ser registados. 
A melhor maneira de ajudar a criança a ter consciência do que significa um objectivo, é através de analogias. É essencial que a criança perceba, qual a sua contribuição ao longo desse processo. 

5.Utilize as competências sociais positivas nos seus relacionamentos - Para os pais que desejam que os seus filhos tenham relacionamentos interpessoais saudáveis, é preciso que aprendam a comunicar melhor com eles e ajudá-los  a entender qual a melhor forma de resolver os problemas. Quando aprendem isso com os pais, fazê-lo nos seus relacionamentos, passa a ser algo natural. E, para comunicar eficazmente é essencial, saber ouvir e desenvolver a capacidade de se expressar com assertividade.

As competências relacionadas com o saber fazer parte de um grupo, devem desenvolvidas desde a infância. Contribuem para desenvolver a integração efectiva dentro dos grupos de pertença e funcionam melhor quando as colocamos em prática, são exemplos disso, o saber a ouvir os pares com atenção; o saber esperar a vez; a capacidade de harmonizar os sentimentos; saber obter consensos e, conseguir expressar com clareza os nossos pontos de vista. 

As competências sociais, tais como, a capacidade de resolver problemas interpessoais, efectuar escolhas assertivas e responsáveis, procurar alternativas construtivas, podem ser desenvolvidas se ajudarmos a criança a lidar melhor com os conflitos que surgem nos seus relacionamentos.




A capacidade de lidar com os sentimentos e a consciência emocional, são mais importantes que o Q.I. para o sucesso e a felicidade em todas áreas da nossa vida. 



Com Inteligência Emocional é possível obter maior tranquilidade e harmonia no dia-a-dia, reduzir o nível de stress e adquirir maior disponibilidade para se divertir nas suas relações Interpessoais.



A inteligência emocional representa a capacidade de controlar os impulsos, de aumentar o prazer e de se motivar a si próprio. 

Aprender a interpretar os seus sentimentos e percepcionar como os outros reagirão aos seus sentimentos é um recurso essencial a adquirir para desenvolver Inteligência Emocional. Saber o que pensar a respeito desses sentimentos e ter consciência das escolhas possíveis para reagir às diversas situações, precisa de aprender a ler e a saber exprimir melhor as esperanças ou medos. 

Maria Pascoal

Sem comentários:

Publicar um comentário