terça-feira, 28 de abril de 2015

Dormir na cama dos pais? Nunca



Porque os filhos não devem dormir na cama dos pais? 

Existem inúmeros motivos importantes, não só para bem dos progenitores, como para os próprios filhos. Em algumas situações a troca de cama, podem ser motivadas pelos filhos, mas tem de existir consciência que condicionam a intimidade dos pais e, quanto mais frequentes mais contribuem para a diminuição da qualidade do relacionamento entre o casal. Mas, existem outras situações em que são os próprios pais a fomentar essa dinâmica, provavelmente por não terem as suas necessidades emocionais satisfeitas, tendem a procurar nos filhos essa compensação, por forma a atenuar a sua insatisfação emocional.

No entanto, independentemente das razões que originam esta dinâmica familiar, as consequências são sempre prejudiciais para todos os membros familiares. Diminuem não só a intensidade, mas também a qualidade do relacionamento entre o casal e, afetam o equilíbrio de amor necessário, na relação entre os pais e os filhos, por não existirem limites familiares saudáveis na definição de papéis, extremamente importantes, não só para que os pais possam beneficiar de momentos de intimidade, como para manter o fluxo constante de amor e afeto essencial de pais para filhos.

As dormidas frequentes na cama dos pais, constituem uma troca de papéis que potência o seu poder na família e enfraquece o relacionamento entre os pais, porque a forma como o amor se desenvolve entre os progenitores e os filhos é diferente da que fortalece o amor entre o casal. Os filhos não podem compensar os pais da necessidade de intimidade enquanto adultos. 

No caso de os pais estarem emocionalmente carentes, mesmo sem se aperceberem, acabam muitas vezes, por impedir que os filhos deixem de viver as experiências normais da idade, por se sentirem responsáveis pela satisfação emocionalmente dos pais. Os filhos não podem preocupar-se ou canalizar a sua atenção nas necessidades do progenitor e, esquecer as suas próprias necessidades emocionais. 

Numa família estruturada, os filhos como sentem as suas necessidades de afeto e de atenção satisfeitas, conseguem compreender e respeitar a intimidade dos progenitores. Se a família não é saudável e as crianças dormem no quarto dos pais, facilmente os seus problemas aumentam, por não existir tempo e espaço essencial para que os pais possam ter momentos para partilhar intimidade, amor e sexo, fulcrais para conseguirem manter uma relação equilibrada e feliz.  

A tendência de dormir na cama dos pais, ainda se torna mais complicada, no caso dos pais estarem divorciados, principalmente se os filhos ficam a viver a maior parte do tempo em casa de um dos pais. Nessa situação, sentem que perderam um progenitor e receiam perder o outro e a invasão do quarto dos pais é ainda mais frequente. Esta fase pode causar nas crianças enorme sofrimento e instabilidade. Reflexo do mesmo, manifesta-se por alguns sintomas, como queixas somáticas, medos, pesadelos entre outros. 

Neste contexto,  se o progenitor vive sozinho com a criança ou está poucas vezes com ela, pode ter alguma tendência para desejar dormir ao seu lado, não só para proporcionar à criança alguma segurança, como para o próprio progenitor, retirar desses momentos algum conforto e prazer.

As consequências desta dinâmica, só contribuem para tornar a criança mais dependente, dificultando a sua capacidade de adaptação e aumentando a sua resistência a qualquer tipo mudança. Esta situação pode gerar ainda efeitos mais graves, como sentimentos de abandono, traição, ciúme, entre outros, no caso de o progenitor iniciar uma nova relação. 

Como evitar que as crianças invadam o quarto dos pais? 

É recomendável que nessas alturas, sempre que a criança se levante e apareça no quarto dos pais, nunca seja permitido que fique no quarto dos pais e, todas as vezes em que isso acontece, a criança deve ser levada para o seu quarto.

progenitor deve ficar no quarto da criança, falar-lhe calmamente, contar-lhe uma história até que fique mais tranquila ou adormeça. Deve repetir este ciclo, sempre que a criança se levante. 

Igualmente importante é nunca se esquecer de elogiar o comportamento da criança, sempre que consegue permanecer no seu quarto a noite inteira. 

Estes comportamentos podem ser difíceis de evitar e podem ser desgastantes durante a noite, mas se os pais forem firmes no estabelecimento desta regra, a criança demora menos tempo a adquirir hábitos noturnos mais saudáveis, a tornar-se mais independente e com melhores competências de adaptação às mudanças do dia-a-dia. E os pais usufruem de maior intimidade e tranquilidade. 

*Mais sugestões no artigo - A hora de dormir é um pesadelo?