domingo, 14 de dezembro de 2014

Lidar com o fracasso


Lidar com os fracassos difunde os Sucessos

                                                                     




A dificuldade em lidar com os fracassos escolares, aumentam a possibilidade das crianças reforçarem o medo e a ansiedade, desencadeando outro tipo de emoções, tais como: desespero, culpabilização, inaptidão que contribuem para agravar a visão das consequências, ou seja, passam a exagerar as suas falhas/erros, exemplos evidentes disso é quando vão realizar um teste e, entrarem na sala dizem "vou esquecer-me de tudo o que estudei" ou "quando for a minha vez de apresentar o trabalho não vou conseguir dizer nada", "acho que estou a ficar com uma branca",  entre outras. 

Em alturas em que recebem uma negativa baixa numa avaliação, começam a pensar que tudo o que se andou a estudar foi uma perda de tempo, que era melhor não terem estudado, o seu sentimento de derrota é tão intenso que perdem a vontade de continuar a estudar para os restantes testes. 

O seu grau de sofrimento aumenta à medida da inexperiência em determinada situação. Quando se faz por exemplo um exame final pela primeira vez e a avaliação é negativa, o grau de sofrimento  acentua-se, pensando que não vai conseguir passar nenhum exame. E, no momento em que vai realizar o exame seguinte a ansiedade é tão elevada que efectivamente não lhe permite ter a mesma fluidez de ideias.

As expectativas de sucesso muito acima das suas capacidades também influenciam o próprio insucesso e aumentam o sentimento de fracasso e o sofrimento em situações posteriores. Contribuindo para colocarem em duvida permanentemente, as suas reais capacidades, a experienciar sentimentos de insegurança e, a aumentar o grau de ansiedade. Todos estes sentimentos associados aos fracassos podem afectar a percepção equilibrada dos resultados. Consequentemente, à medida que atribuem maior valor aos insucessos, diminui o valor atribuindo aos sucessos. 


Estratégias para lidar com o fracasso:

. Ter períodos estruturados para estudar, para descansar e para se distrair. Todos os momentos são importantes para a interiorização das aprendizagens;

. Numa fase consecutiva de testes, por exemplo no fim do ano lectivo, perceber e aceitar que as crianças têm menor motivação e empenho ao estudarem, derivado do cansaço referente ao ciclo- Estudar, aulas, testes, estudar, testes…

- Entender que a criança não tem de gostar e demonstrar o mesmo interesse em todas as matérias, às sempre algumas em que terá maior dificuldade;

.Valorizar as avaliações positivas e, elogiar o seu empenho no estudo para esses testes e mesmo quando tem negativa, quando a criança se esforçou mas, mesmo assim não conseguiu, é igualmente importante dar-lhe uma palavra de conforto;

- Evitar por exemplo que a resultados de 49% não se atribua o mesmo valor de 50%, o seu sentimento de insucesso diminui;

- Se existe frequentemente muita dificuldade em lidar com a frustração e que isso não comprometa o seu empenho ou os seus resultados escolares e, a criança manifestar sofrimento em lidar com o insucesso, procure ajuda psicológica para trabalhar e ultrapassar esta situação, por forma a não ficar com essa visão deturpada ainda mais vincada e afecte o percurso escolar posteriormente.